quarta-feira, 11 de novembro de 2009

11 de novembro de 1975 - Independência de Angola

HOJE NA HISTÓRIA



A meia-noite do dia 11 de novembro de 1975, a última colônia portuguesa, Angola, torna-se independente.

Ghita Almeida Galvão

Severino Vicente da Silva



Os primeiros europeus a chegarem ao Reino do Congo foram Portugueses que, liderados pelo navegador Diogo Cão, no século XV aportaram na foz do Rio Congo ou Zaire que fica na, ainda hoje existente, cidade de Mbanza. Além desse reino havia outros menores como Mulilu, Musuru e Ndongo, este ultimo veio a formar o que chamamos de Angola.

O rei do Congo recebeu muito bem os portugueses, se converteu ao cristianismo e foi batizado como Afonso I. Como era costume na época, os habitantes dos territórios governados por ele também se converteram a esta religião, que até hoje é sua majoritária. Portugal realizava o que chamamos de Grandes Navegações em direção do Oriente. Uma das conseqüências da presença portuguesa foi o estabelecimento do comércio de escravos, atividade geradora de muitos lucros, direta e indiretamente – já que tanto sua exportação quanto sua utilização em outras atividades era fator de muitos ganhos, para europeus e congoleses – este comércio no ponto de vista de Afonso I, como foi dito por Elikia M’Bokolo no livro África Negra: história e civilizações; “deveria ser bem organizado, respeitador das regras e das hierarquias (sociais), pois só assim, seria lucrativo para todos Portugueses e Congos”. Até meados do século XIX, quando foi extinta a escravidão, comerciantes de escravos transformaram Angola na “mina da escravaria”. O Marquês de Pombal, ainda no século XVIII tentou explorar as riquezas naturais do lugar, tornando a colônia, até 1970, uma economia agrária.

Porém, Angola sempre foi muito rica em minerais, tem inclusive o minério de ferro, o cobre, o ouro, entre outros. Atualmente o país é o segundo maior produtor de petróleo e exportador diamante da África Subsaariana.

A Segunda Guerra mundial provocou o declínio dos impérios coloniais que os europeus haviam formado na Ásia e África. O processo de descolonização também atingiu as colônias portuguesas. Nesse quadro internacional, marcado também pela Guerra Fria, ou seja, o confronto entre as duas potências vencedoras da Guerra terminada em 1945.

As lutas angolanas pela libertação e independência ocorreram entre 1961 e 1974, e foram marcadas pela concorrência de três grupos: o Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA), a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e a União Nacional pela Libertação Total de Angola (UNITA). Destes, só o Movimento Popular pela Libertação de Angola - MPLA foi considerado legítimo pela Organização da Unidade Africana (OUA), para o combate contra a metrópole e também para governar o país, posteriormente. Agostinho Neto, do MPLA, declarou a independência de Angola em 11 de novembro de 1975 e assumiu a presidência do país, legitimado pela Organização da Unidade Africana.

Porém, os conflitos não param por aí, depois deste episódio, começaram, propriamente, as guerras civis que duraram, efetivamente, até 2002. Elas se iniciaram já com a luta dos partidos, pela independência de Angola, estes entram em conflito pelo poder do país. Vários países, interessados nas riquezas do solo angola intervieram no conflito angolano: Cuba apoiou o MPLA; a África do Sul e os Estados Unidos apoiaram a UNITA; o Zaire, a China, Portugal, a Inglaterra e ainda os Estados Unidos apoiaram a FNLA. Vários acordos foram feitos ao longo dos anos, porém a guerra só acabou em 2002 com a morte do líder da Unita, Jonas Savimbi.

A ação imperialista na maioria das vezes, em conjunto com o próprio governo local, deixou muitas marcas no país, como por exemplo, a pobreza de grande parte da população e a morte de outras tantas pessoas. Porém, o Estado angolano está aos poucos se erguendo. Aposta-se que até o ano de 2010, o Produto Interno Bruto de Angola alcance 100 bilhões de dólares. Angola está recebendo investimentos de muitos países, inclusive do Brasil, com quem está trocando mão-de-obra, trocas que simbolizam, agora um novo rumo nas relações com o mundo.

ps. texto escrito para o programa Que História é Essa.

Um comentário:

Bruna disse...

Obrigada pela ajuda, este post ajudou-me em um trabalho escolar. (: