sexta-feira, 20 de junho de 2008

Cidades do Sertão do São Francisco

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
CENTRO DE FILOSOFIA E CIENCIAS HUMANAS
DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA
DISCIPLINA: PROBLEMAS DA HISTÓRIA DE PERNAMBUCO
PROF.: SEVERINO VICENTE DA SILVA

ALUNOS: MARILENE GALDINO
RUI OLIVEIRA BARBOSA















SEMINÁRIO: O SERTÃO DE SÃO FRANCISCO








Recife, 17 de junho de 2008.

SUMÁRIO:

1. Introdução..............................................................................................03
2. O Sertão do Estado................................................................................03
3. Formas de Povoamento do Sertão.........................................................04
4. Bacia do São Francisco.........................................................................05
5. A Transposição do Rio São Francisco..................................................05
6. Belém do São Francisco – sua origem..................................................06
6.1 Fazenda Canabrava..............................................................................06
6.2 Fazenda Belém.....................................................................................06
6.3 Cidade...................................................................................................07
7. Petrolina..................................................................................................08
8. Dados relacionados à educação nos municípios da região...........................................................................................................09
9. Barragem de Itaparica.............................................................................12
10. CESVASF: Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco – Breve Histórico...........................................................................................15
11. Referências Bibliográficas....................................................................16















1. INTRODUÇÃO

Nosso trabalho se propõe a apresentar questões a respeito da região do Submédio do São Francisco, contudo mais particularmente centramo-nos na região do Vale do São Francisco. Temos a consciência que não conseguimos abranger todas as cidades, e mesmo aquelas que foram citadas neste estudo, tiveram um enfoque bem rápido e pontual. Entretanto gostaríamos de informar que a nossa preocupação não estava num levantamento de dados a respeito dessas cidades, mas evidenciar temáticas que acabam se inserindo na maioria delas, como as formas de povoamento, informações sobre agricultura e pecuária, algumas implicações da construção da barragem de Itaparica, entre outras.

2. O SERTÃO DO ESTADO

Ocupando aproximadamente 70% do território de Pernambuco, o Sertão é a maior região do Estado, onde predomina a caatinga: vegetação seca formada principalmente de jurema, pereiro, xique-xique, marmeleiro, e mandacaru.
No Sertão predomina latifúndios nas áreas de criação de gado. Os minifúndios são encontrados em maior número nas áreas mais elevadas das serras e chapadas, onde aparecem os “olhos d’água” (nascentes de água) que permanecem favorecendo a agricultura.
A agricultura de subsistência tem grande visibilidade no Sertão, praticada em pequenas propriedades instaladas nas áreas úmidas no alto das serras e chapadas, favorecidos pelos olhos d’água perenes ou pelas jusantes de açudes, onde os canais de irrigação são comuns. A agricultura praticada nas áreas serranas é rudimentar e apresenta baixo rendimento. Os principais produtos agrícolas são o milho, o feijão e o algodão. A jusante dos açudes e barragens, anteriormente feita referência, favorece o aparecimento de uma agricultura mais bem planejada, com canais de irrigação e maior assistência técnica, com lavouras de banana, milho, hortaliças, arroz e feijão.
Por apresentar clima semi-árido, o investimento na atividade pecuária apresenta boa expressão, com centro econômico localizado em Petrolina, que ainda se destaca como maior produtor de uvas e vinhos do Nordeste. Esta cidade está localizada as margens do São Francisco.

3. FORMAS DE POVOAMENTO DO SERTÃO

No Sertão, foi a pecuária o elemento essencial de povoamento e desenvolvimento. Através dos caminhos do gado surgem os currais e as feiras. Com o transporte do gado era necessária a criação de locais apropriados para a recuperação do peso, e para o descanso de animais e homens. Assim, vão surgindo os currais e as fazendas, juntamente com pequenas parcelas de culturas de subsistência.
A formação de aldeamentos surgidos a partir das missões religiosas foram também formas de fixação de novos povoados;

“É natural vermos a construção da igrejinha anteceder a criação da freguesia, assim como a criação da freguesia preceder, em muitos anos, à organização política das povoações do Vale. E esses aldeamentos eram, na sua maior parte, quase sempre, resultados dos frades missionários”, (LEITE, pág. 26).

Havia, na região, muitos atritos entre os colonizadores da Casa da Torre de Garcia D’Ávila e os missionários; estes eram freqüentemente forçados a deixar a região, junto com os índios, por isso a presença indígena na região de Belém do São Francisco já era praticamente inexistente em fins do século XVIII.
Quando não era mais possível que as lavouras agrícolas e a pecuária convivessem lado a lado devido à necessidade de amplas pastagens e o desenvolvimento dos rebanhos; esta última ganha o Sertão, uma expansão que ocorre pelas margens de rio e riachos. Então além de alimentos, o gado passa a fornecer couro, matérias-primas para consumo interno e externo.

4. BACIA DO SÃO FRANCISCO

O rio São Francisco foi descoberto em 04 de outubro de 1647 pelo capitão Garcia D’Ávila II e o padre Antonio Pereira; esse rio recebeu seu nome em homenagem ao missionário da Paz, Francisco de Assis.
Sua bacia é formada pelo rio São Francisco e seus afluentes, abrangente cerca de 7,5% do território brasileiro. O rio São Francisco é de planalto, nasce na serra da Canastra, em Minas Gerais, e atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Possui grande potencial hidrelétrico, e ao longo do seu curso existem várias usinas: Três Marias (que, além de produzir energia elétrica, controla o nível das águas), Paulo Afonso, Sobradinho e Moxotó.
É navegável num longo trecho entre Pirapora (MG), Juazeiro (BA) e Petrolina (PE) e no seu baixo curso, situado na planície costeira. Recebe várias denominações: rio dos currais, devido ao seu papel na criação de gado, e rio da Unidade Nacional, porque une vários estados do Brasil. Possui um regime Tropical.

5. A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

A idéia de desviar parte das águas do Rio São Francisco para irrigar o Sertão, por meio de um canal que o comunicasse com o Rio Jaguaribe, no ceará, surgiu em 1858.
De ‘rio da Integração Nacional’, o São Francisco virou ‘Pomo da Discórdia’. O motivo em um projeto [...] de retirada de parte de suas águas para tornar permanentes os rios e açudes do semi-árido nordestino, beneficiando Paraíba, Rio Grande do Norte, Pernambuco e Ceará. Defendida pelo governo federal, a transposição enfrenta oposição por parte de especialistas e políticos de Minas Gerais, Bahia, Alagoas e Sergipe, que temem prejuízos para seus estados.
Ao longo dos anos 1980 e 1990, a transposição voltou ao debate, mas sempre esbarrando em questões técnicas, financeiras e políticas. Em 2004 um novo projeto foi elaborado e aprovado pelo governo federal, com um custo estimado de R$ 4,5 bilhões.
A transposição prevê a construção de espaços de bombeamento, aquedutos, túneis e outras obras para alimentar dois grandes eixos que atingirão os estados beneficiados. O objetivo é retirar do rio uma vazão contínua de 26 metros cúbicos de água por segundo, aumentando esse volume de acordo com a capacidade do reservatório de Sobradinho. Ao longo dos eixos, as águas alimentariam rios e açudes, impedindo-os de secar durante a estiagem. Apesar de as obras atravessam áreas de preservação e terras indígenas, os técnicos [do governo federal] afirmam que o projeto não terá impactos sobre elas. Para os críticos contrários, o projeto beneficia mais as grandes cidades e empresas do que a população dispersa no Sertão.

6. BELÉM DO SÃO FRANCISCO – SUA ORIGEM

6.1 Fazenda Canabrava

Por volta de 1793, o casal Manoel de Carvalho Alves (português) e dona Inácia da Conceição arrendaram terras da “Casa da Torre” de Garcia D’Ávila, na região ribeirinha do São Francisco. Acredita-se que na referida região existia uma planta silvestre e brava, espécie de cana, que dominava a paisagem. Daí o nome da Fazenda CANABRAVA.

6.2 Fazenda Belém

Na antiga aldeia da Ilha Araxá, hoje Ilha da missão, segundo informações, existia uma igrejinha dedicada à Nossa Senhora de Belém. Em 1792 numa grande enchente do rio São Francisco a igrejinha desabou, ficando apenas os escombros. Reza a tradição que batismo do nome de Belém à fazenda do Sr. Antonio de Sá Araújo teria sido em homenagem a Nossa Senhora de Belém.
Nessa fazenda foi construída a primeira igreja - Nossa Senhora do Patrocínio - em 1840, o que favoreceu o seu povoamento. Assim, em 12 de outubro de 1885, pela Lei Estadual nº 553, o povoado de Belém passou a Freguesia e, 17 anos depois, à vila.



6.3 Cidade
Em 07 de maio de 1903, a vila Belém foi elevada à categoria de cidade pela Lei Estadual nº 597 com o nome de Belém de Cabrobó, permanecendo com este nome até 1943, quando passa a ser denominada Jatinã. O nome Belém foi substituído por Jatinã por força de um decreto - lei na ditadura de Getúlio Vargas, quando ficou proibido haver no Brasil duas cidades com o mesmo nome. Como já existia Belém do Pará, foi enviada uma lista tríplice a Mário Melo, na época, diretor do Instituto Histórico e Geográfico de Pernambuco, e ele escolheu o nome Jatinã por sua preferência a nomes indígenas.
Em 1953, a cidade voltou a receber o nome “Belém” acrescido da expressão “do São Francisco”, que permanece até hoje: BELÉM DO SÃO FRANCISCO.
A partir da década de 70, em homenagem à emancipação política do município, o dia 07 de maio passou a ser comemorado festivamente, constando o evento de: missa solene, disputas esportivas, desfiles estudantis, bailes, congregando assim os belemitas para os festejos de ordem política, cívica, artística e religiosa.
Assim sendo, resumimos nestes quadros as seguintes informações sobre o município de Belém do São Francisco:
· Denominações Diversas;
1793
FAZENDA CANABRAVA
1830
FAZENDA BELÉM
1885
FREGUESIA BELÉM
1902
VILA BELÉM
1903
CIDADE - BELÉM DE CABROBÓ
1928
BELÉM
1943
JATINÃ
1953
BELÉM DO SÃO FRANCISCO

· Independência Política - 07 de maio de 1903;
· Em maio de 1971, o então prefeito Gerson Alves de Carvalho Pires oficializou o Hino do município de Belém do São Francisco.
· O Brasão, a bandeira e o Hino são os símbolos oficiais do município de Belém do São Francisco.



7. PETROLINA

O frei capuchinho italiano, Henrique, realizava missões pelo caminho das águas pelas povoações ribeirinhas; também em ilhas banhadas pelo rio São Francisco, e nos trechos que hoje correspondem aos municípios de Santa Maria da Boa vista e Petrolina. Em medos do século, o mesmo frei fez o pedido da construção de uma capela ao vigário de Coripós, o que hoje é Santa Maria da Boa Vista. A construção foi dada início em 1858 na pequena povoação de Passagem, localizada na margem esquerda do Rio São Francisco; no local havia uma área coberta de rocha, que posteriormente foi utilizada na construção da Igreja Catedral de Petrolina. Na área também conhecida por “Pedra Grande”, fica a atual praça do Centenário, considerada marco zero da cidade.
Recebeu o nome de Petrolina em homenagem ao Imperador Dom Pedro II.

Periodização Histórica – de povoação à cidade

1858
POVOAÇÃO “PASSAGEM DE JUAZEIRO”
1862
FREGUESIA “PASSAGEM DE JUAZEIRO”
1870
VILA DE PETROLINA
1879
COMARCA DE PETROLINA
1893
AUTONOMIA MUNICIPAL


8. DADOS RELACIONADOS À EDUCAÇÃO NOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO

CABROBÓ:
População: 28.851 hab. – Área da Unidade Territorial: 1.658 km².
Ensino – Matrículas, Docentes e Rede Escolar/ 2006.
Total Matrículas do Ensino Fundamental
6.623 estudantes
Matrículas na Escola Pública Estadual
2.069 estudantes
Matrículas Escola Pública Federal
0
Matrículas Escola Pública Municipal
4.114 estudantes
Matrículas na Escola Privada
440 estudantes
Total Matrículas do Ensino Médio
1.962 estudantes
Matrículas na Rede Pública Estadual
1.850 estudantes
Matrículas na Rede Privada
112 estudantes
Nº de Docentes no Ensino Fundamental
408 docentes
Nº de Docentes no Ensino Médio
93 docentes

ITACURUBA:
População: 4.097 hab. – Área da Unidade Territorial: 430 km².
Ensino – Matrículas, Docentes e Rede Escolar/ 2006.
Total Matrículas do Ensino Fundamental
1.353 estudantes
Matrículas na Escola Pública Estadual
0
Matrículas Escola Pública Federal
0
Matrículas Escola Pública Municipal
1.353 estudantes
Matrículas na Escola Privada
0
Total Matrículas do Ensino Médio
339 estudantes
Matrículas na Rede Pública Estadual
339 estudantes
Matrículas na Rede Privada
0
Nº de Docentes no Ensino Fundamental
54 docentes
Nº de Docentes no Ensino Médio
14 docentes

SALGUEIRO:
População: 53.167 hab. – Área da Unidade Territorial: 1.639 km².
Ensino – Matrículas, Docentes e Rede Escolar/ 2006.
Total Matrículas do Ensino Fundamental
11.571 estudantes
Matrículas na Escola Pública Estadual
5.934 estudantes
Matrículas Escola Pública Federal
0
Matrículas Escola Pública Municipal
4.106 estudantes
Matrículas na Escola Privada
1.531 estudantes
Total Matrículas do Ensino Médio
2.907 estudantes
Matrículas na Rede Pública Estadual
2.560 estudantes
Matrículas na Rede Privada
347 estudantes
Nº de Docentes no Ensino Fundamental
505 docentes
Nº de Docentes no Ensino Médio
138 docentes

FLORESTA:
População: 26.648 hab. – Área da Unidade Territorial: 3.644 km².
Ensino – Matrículas, Docentes e Rede Escolar/ 2006.
Total Matrículas do Ensino Fundamental
6.111 estudantes
Matrículas na Escola Pública Estadual
1.922 estudantes
Matrículas Escola Pública Federal
0
Matrículas Escola Pública Municipal
3.788 estudantes
Matrículas na Escola Privada
401 estudantes
Total Matrículas do Ensino Médio
1.901 estudantes
Matrículas na Rede Pública Estadual
1.823 estudantes
Matrículas na Rede Privada
78 estudantes
Nº de Docentes no Ensino Fundamental
347 docentes
Nº de Docentes no Ensino Médio
126 docentes


JATOBÁ:
População: 13.797 hab. – Área da Unidade Territorial: 278 km².
Ensino – Matrículas, Docentes e Rede Escolar/ 2006.
Matrículas no Ensino Fundamental
3.033 estudantes
Matrículas no Ensino Médio
1.094 estudantes
Nº de Docentes no Ens. Fundamental
150 docentes
Nº de Docentes no Ens. Médio
60 docentes

BELÉM DE SÃO FRANCISCO:
População: 20.545 hab. – Área da Unidade Territorial: 1.831 km².
Ensino – Matrículas, Docentes e Rede Escolar/ 2006.
Total Matrículas do Ensino Fundamental
4.382 estudantes
Matrículas na Escola Pública Estadual
772 estudantes
Matrículas Escola Pública Federal
0
Matrículas Escola Pública Municipal
3.365 estudantes
Matrículas na Escola Privada
245 estudantes
Total Matrículas do Ensino Médio
1.635 estudantes
Matrículas na Rede Pública Estadual
1.607 estudantes
Matrículas na Rede Privada
28 estudantes
Nº de Docentes no Ensino Fundamental
265 docentes
Nº de Docentes no Ensino Médio
74 docentes


9. BARRAGEM DE ITAPARICA
Com a construção da barragem de Itaparica (PE/BA – potencial hidrelétrico: 2.500 MW) cerca de 5.800 famílias de agricultores foram transferidas para agrovilas, em glebas na caatinga. Os projetos abaixo são de reassentamentos que a CHESF (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco) foi obrigada a prover as condições necessárias à instalação de uma vida digna para estas famílias:

Santa Maria da Boa Vista
Projeto Caraíba
Orocó - PE
Projeto Brígida
Itacuruba - PE
Projeto Itacuruba
Petrolândia - PE
Projeto Apolônio Sales
Curaçá - BA
Projeto Pedra Branca
Glória - BA
Projeto Borda da Lagoa
Chorochos/Terachil
Piscigranjas
Glória - BA
Jusante
Rodelas - BA
Itacoatiara
Petrolândia - PE
Bloco 2

v Projetos como o Itacoatiara (Rodelas /BA), Jusante ( Glória BA), e BLOCO 2 (Petrolândia /PE); são os que tem apresentado maior demora na conclusão das obras de beneficiamento da região.

Até hoje representantes do Pólo Sindical dos Trabalhadores Rurais do Submédio do São Francisco lutam por melhorias na região, afetada pela construção da barragem de Itaparica e formação do seu lago. Esta construção foi uma ação promovida pela CODEVASF (Companhia de desenvolvimento do Vale do São Francisco) e iniciativas privadas.
Em reunião em setembro de 2005 com o presidente, à época, da CODEVASF, Francisco Guedes, foi reivindicada a devida assistência técnica aos projetos irrigados e a transferência de sua gestão para os reassentados. A luta dos trabalhadores do Pólo é histórica, começou em 1986 quando tiveram que se deslocar para agrovilas já que a área que ocupavam havia sido coberta com a inundação do lago de Itaparica. A partir daí, o Estado garantiu que as mesmas condições de vida que a população tinha antes seriam mantidas. E para tanto, na data de 06 de dezembro de 1986 foi garantido aos reassentados, a formação de um reassentamento irrigado para as cerca de 6.000 famílias de trabalhadores e trabalhadoras da Bahia e de Pernambuco, que estavam passando por todo este processo.
Foi o primeiro projeto financiado pelo Banco Mundial, em todo o mundo, que gerou ao invés de indenizações em dinheiro o reassentamento para as famílias. Infelizmente 20 anos após, esses projetos ainda se arrastam.
Durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, foi criado o GERPI (Grupo Executivo para Conclusão do Projeto Itaparica) que instituiu o programa de compensação financeira. Na época o Pólo Sindical utilizou-se de estratégias para que trabalhadores e trabalhadoras não aderissem à proposta, mas um número acima de mil reassentados e reassentadas fez adesão. O que é indicado como um fator de miséria, desemprego e aumento da miséria na região, segundo o Pólo sindical, pois deste dinheiro pouco pode ser feito.
Porém segundo reportagem de 2006, o término para as obras estava previsto para abril/2007, entretanto até aquele momento apenas o que havia sido concluído era a abertura das licitações para compra do material elétrico e de irrigação (Boletim PTRD KOINONIA, 2006)[1].
Após pesquisas feitas em dois assentamentos (Brejinho de Fora – próximo a Petrolândia,PE, e Fazenda Canafístula – próxima a cidade Delmiro Gouveia, AL), pesquisadoras da FUNDAJ, concluíram que a renda família, no primeiro reassentamento, ficava em torno de dois salários mínimos na época. Sendo que aproximadamente metade da renda nos assentamentos provinha de aposentadorias e pensões. A produção agrícola era basicamente voltada ao consumo familiar; eram plantados basicamente milho, mandioca e feijão, mais algumas fruteiras como banana, melancia, coco. As vendas de verduras ou frutas nas feiras são feitas eventualmente. O criatório de animais também dá-se de forma bem resumida, numa média de menos de meia dúzia de animais por família.
A maioria dos serviços, saúde, educação, abastecimento da casa em utensílios e alimentos complementares são feitos na cidade de Petrolândia, no caso de Brejinho de Fora. A facilidade encontrada quanto a transporte na comunidade de Brejinho, não há em Fazenda Canafístula, as vezes é preciso ir a cidade mais próxima, de moto ou a cavalo, ou fretar, na localidade mais aproximada, um carro, esta é a medida mais apropriada se for o caso de haver um doente, ou alguém que um deseje ou não possa se aventurar em caminhadas, ou nos outros meios citados. A situação do ensino nesta comunidade também é precária; a escola construída durante o processo de reassentamento, como parte do compromisso da CHESF, atende apenas crianças do 1º grau menor, conta com 3 professoras, à época, e recebiam 1 salário mínimo. O abastecimento de água nas duas comunidades é ponto de crítica dos moradores devido a distribuição, as quebras freqüentes nas bombas, e o tratamento da água. “Segundo afirmam, há uma enorme diferença entre a qualidade da água que abastecia antes as moradias e a que, hoje, lhes é oferecida. Lá, elas possuíam “fontes” de abundantes e saudável”. (RAT, pág. 22).

10. CESVASF: CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO VALE DO SÃO FRANCISCO – BREVE HISTÓRICO

No ano 1971, o Sr. Alípio Lustosa de Carvalho juntou-se a alguns professores e autoridades de Belém do São Francisco para articularem a possibilidade de se fundar uma faculdade. Foi colocado à disposição o prédio da antiga Escola Normal N. Sra. do Patrocínio, em horário noturno, para funcionamento da instituição idealizada. Em novembro de 1975, através da Lei nº 04/75, publicada no D.O. de 13 de novembro de 1975, foi instituída a Autarquia Municipal Faculdade de Formação de Professores de Belém do São do São Francisco (FAFORBE).
Os cursos da FAFORBE foram reconhecidos em 04 de setembro de 1984, através de Portaria Ministerial nº 377, publicada no Diário oficial da União, em 13 de setembro de 1984. No mesmo ano, em dezembro a Autarquia passou a ser denominada de Autarquia Belemita de Cultura, Desportos e Educação - ABCDE, e a FAFORBE passou a ser denominada pelo nome que conhecemos até hoje, Centro de Ensino Superior do Vale do São Francisco - CESVASF. A plenificação de seus cursos se deu no ano seguinte, através da portaria ministerial 222, de 20 de março de 1985; e o que era o curso de Ciências Sociais foi desmembrado em História e Geografia; porém o reconhecimento destes só foi obtido em 1991. Em fevereiro de 1994, foi autorizado mais um curso, desta vez o de Ciências, com Habilitação em Matemática, reconhecido em 10 de maio de 2001.
Desde 2000, o CESVASF começou a oferecer cursos de Pós-Graduação "Latu Senso" nas áreas de História, Letras e Geografia, todos autorizados pelo Conselho Estadual de Pernambuco. Em 2003, os cursos de pós-graduação foram ampliados, coma criação dos cursos de Geografia do Turismo, História Contemporânea, Técnicas Educacionais, Educação Matemática e Educação Ambiental.
Em 2007 foram instituídos mais dois cursos de graduação, Biologia e Física e, na pós-graduação, as especializações em Ensino de Língua Inglesa e em História e Cultura Afro-brasileira e Indígena. Hoje o CESVASF com 32 anos, vem assim, alargando seu campo de atuação e desenvolvendo um trabalho reconhecido pelos órgãos educacionais e pela comunidade da região, a qual é também diretamente beneficiada pelas atividades de extensão desenvolvidas por esta Instituição de Ensino Superior.


11. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

· Boletim do Programa Trabalhadores Rurais e Direitos KOINONIA – Ano I – nº 0 / 2006.
· Especial Rio São Francisco (continuação 4) 26/10/2004. http://www.ana.gov.br/
· LEITE, Marlindo Pires. Belém: uma cidade no Vale do São Francisco / Marlindo Pires Leite, Maria Estelita Lustosa Roriz. Maria Auxiliadora Lustosa Coelho; prefácio de Edson Lustosa Cantarelli. – Recife: CEPE, 1993.
· LIMA, Ana Elisa V.; GALINDO, Magda Caldas. Projeto Itaparica: avaliação do reassentamento rural (4º Relatório de Acompanhamento Trimestral – RAT). FUNDAJ, 1995.
· SILVA, Severino Vicente da. Mergulhados na saudade das cidades mergulhadas nas águas do Lago de Itaparica. IN: www.ufpe.br/historia/artigo4rev1




[1] Associação sem fins lucrativos, formada por pessoas de igrejas cristãs e de outras expressões de fé, além de líderes do movimento social. Tem como princípio fundamental o compromisso com o ecumenismo e a democracia tendo em vista a luta em favor da cidadania, contra toda forma de exclusão humana.

Um comentário:

genealogia disse...

Por volta de 1793, o casal Manoel de Carvalho Alves (português) e dona Inácia da Conceição arrendaram terras da “Casa da Torre” de Garcia D’Ávila, na região ribeirinha do São Francisco;
estou ´pesquisando dados de Manoel Goiana de Carvalho, teria mais dados ?